Feira de Santana Tempo
FEIRA DE SANTANA Tempo

MORTOS QUE FALAM

MORTOS QUE FALAM

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

No Dia de Finados – 02 de novembro – muitas pessoas reservam um momento especial para visitar cemitérios. Levam flores, acendem velas e fazem preces por familiares e amigos que faleceram. O cemitério (que significa dormitório, lugar de dormir esperando a ressureição)  fala por si mesmo: “Este é o destino dos mortais. O que eu fui, você é. O que eu sou, você será”.

NÓS MORREMOS em prestação. Morremos um pouco cada dia. No aniversário, comemoramos um ano a mais. Na contabilidade correta, deveríamos contar um ano a menos. A cada ano, a cada dia, mais nos aproximamos do fim da viagem. Mas, essa viagem, não tem quilometragem certa, nem tempo certo de duração. Ela está sujeita a um acidente qualquer, em qualquer lugar. A morte é nossa caroneira e pode assumir o comando a qualquer momento. 

ONDE VAMOS morrer? Não sabemos. A morte está presente em toda a parte. Na terra. No ar. No fogo. Na água. Nas ruas. Nas praças. Nas casas. Nos hospitais. Nas rodovias… Quando vamos morrer? Não sabemos. Vigiai e orai, disse Jesus, porque não sabeis nem o dia e nem a hora. Quem se deita á noite para o descanso, não tem certeza de se levantar. Quem começa um novo dia, não tem certeza de chegar à noite. Quem começa a construir uma casa, não tem certeza de vê-la concluída… 

O FILÓSOFO francês Gabriel Marcel garantiu: “A morte é bela, se a vida for bela”. Morre-se bem, quando vive-se fazendo o bem.  Quando o Papa João Paulo II e a Irmã Dulce foram sepultados, a multidão, até então silenciosa, prorrompeu numa salva de palmas. É por isso que a sabedoria antiga afirmada: Há mortos que falam. Isto é, há vidas vividas de forma admirável que se constituem na mais eloquente mensagem para os que ficam. São uma referência e modelos a serem imitados. 

NOSSA VIDA, neste mundo, é uma peregrinação. Temos uma missão a cumprir e estamos chegando ao fim da jornada. A semelha-se às águas: todas correm para o mar. Não temos aqui casa permanente. Cada minuto que passa, cada pulsação do nosso coração, é um passo que damos rumo à eternidade. E Santo Agostinho dizia: nosso coração está inquieto, enquanto não descansar em Deus! 

O CRISTIANISMO garante ter boas notícias sobre a morte. Para a pessoa de fé, o que parece morte, torna-se vida, vai para “Casa do Pai”. A morte, para quem acredita em Cristo e para quem fez o bem, é uma recompensa.  E São Paulo nos garante: “Se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também, os que morrem em Jesus, Deus há de levá-los em sua companhia” (1Ts 4,14). 

Dom Itamar Vian

Arcebispo Emérito

di.vianfs@ig.com.br