REGRA DE OURO

REGRA DE OURO

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A vida tem sempre uma lógica irrefutável. É a lógica das consequências. Aquilo que
semeamos, cedo ou tarde, acabaremos colhendo. Se plantamos alegria, esperança e paz
colheremos felicidade. Se plantamos ódio, inveja, injustiças e vingança colheremos
tristeza. Nós somos os autores de nossa própria história.

“TUDO O QUE quereis que os outros vos façam, fazei-o, também, vós a eles” (Mt 7,12). É
essa a Regra de Ouro da sabedoria que, no Antigo Testamento, recebe formulação negativa:
“Não façais aos outros o que não quereis que os outros vos façam” (Tb 4, 16). No Novo
Testamento, Jesus lhe dá uma formulação positiva, um convite para o agir: “Fazei aos outros o
que quereis que os outros vos façam” (Mt 7,12)

MUITAS vezes reclamamos de atitudes que os outros tomam a nosso respeito e fazemos a
mesma coisa com eles. Alguns ficam desesperados quando falam mal a seu respeito, mas,
passam o dia, falando mal dos outros. Quem não gosta de injustiça — não seja injusto com
ninguém. Se queremos que nosso trabalho nos garanta o pão de cada dia, usemos da mesma
medida, com aqueles que trabalham conosco: paguemos o salário justo.

COMO não somos muito dados a viver com sabedoria, egoisticamente, queremos que todos
nos façam felizes e às vezes não movemos uma palha para a felicidade alheia. Há marido cuja
vergonha máxima é ser traído pela esposa, mas, hipocritamente, mantém uma amante. Não
quer para si o que faz para a esposa.

APLIQUEMOS a Regra de Ouro especialmente na nossa vida pessoal. Queremos fidelidade?
Sejamos fiéis. Queremos a verdade? Falemos a verdade. Queremos solidariedade? Sejamos
solidários. Queremos compreensão para nossos erros? Sejamos compreensivos. Queremos
honestidade? Sejamos honestos. Queremos paz? Vivamos em paz. E São Paulo nos lembra:
“Quem pouco semeia também pouco colhe. Quem semeia com abundância colhe com
abundância”. (2 Cor. 9,6).

JESUS Cristo foi o exemplo perfeito dessa coerência. Ensinou-nos a perdoar e perdoou a quem
o condenou e crucificou. Ensinou-nos a amar os inimigos e nunca saiu de sua boca uma
palavra de ódio contra seus perseguidores. Ensinou-nos a dar a vida e aceitou morrer por nós
na cruz. O melhor amigo é aquele que dá a vida pelos seus amigos. Os ensinamentos de Jesus
foram sempre comprovados por suas atitudes concretas.

            Dom Itamar Vian
            Arcebispo Emérito
            di.vianfs@ig.com.br