Feira de Santana Tempo
FEIRA DE SANTANA Tempo

Pesquisa: gestão de Paulo Guedes na economia é reprovada por 64%

Bolsonaro diz que vai depor na PF

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Para 77%, Brasil não está no rumo certo na economia; 68% avaliam que Guedes não tem condições de permanecer no cargo

A gestão do ministro da Economia, Paulo Guedes, é reprovada por 64% da população, mostra pesquisa do Instituto Realtime Bigdata encomendada pela Record TV. Para uma parcela ainda maior de entrevistados (68%), Guedes não tem condições de permanecer no cargo e 64% acham que ele deveria ser demitido pelo presidente Jair Bolsonaro.

O instituto ouviu mil pessoas de todas as regiões do país por telefone nesta quinta-feira (7). O levantamento tem margem de erro de 3 pontos percentuais para mais ou para menos e nível de confiança de 95%. De acordo com os dados, somente 21% dos entrevistados avaliam positivamente a atuação de Guedes e 15% não souberam avaliar ou preferiram não responder.

No cotidiano, brasileiros enfrentam dificuldades com o preço da gasolina chegando a R$ 7 em algumas regiões e o dólar a R$ 5,51, na cotação da moeda nesta quinta-feira. Para a maioria dos entrevistados, a alta de preços de serviços básicos é culpa de Paulo Guedes — 52% o veem como culpado, 41% acreditam que a responsabilidade pela situação não é dele e 7% não sabem ou não responderam.

A condução da economia brasileira também é apontada como um fracasso sob a gestão de Guedes. De acordo com a pesquisa, 77% consideram que o Brasil não está no rumo certo em relação à economia (18% acham que sim e 5% não sabem ou não responderam).

Diante do cenário econômico e da crise gerada pela divulgação de que o ministro tem uma offshore no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas, no Caribe, que lhe proporcionou ganhos de mais de R$ 16 milhões com a desvalorização do real ante o dólar (ou R$ 14 mil a cada dia de governo), 68% dos entrevistados avaliam que Guedes não tem condições de continuar no comando do Ministério da Economia. Os que avaliaram que sim somaram 22% dos entrevistados e 10% não sabem ou não responderam.

Fonte:noticias.r7.com