Papa Francisco deixa o hospital 10 dias após cirurgia

Papa Francisco deixa o hospital 10 dias após cirurgia

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Pontífice passou por uma colectomia (cirurgia para retirar parte do cólon), em sua 1ª hospitalização desde que assumiu a liderança da Igreja Católica, em 2013.

O Papa Francisco, de 84 anos, recebeu alta nesta quarta-feira (14) e deixou a Policlínica Universitária Agostino Gemelli 10 dias após passar por uma colectomia (cirurgia para retirar parte do cólon).

Foi a primeira hospitalização do pontífice desde que assumiu a liderança da Igreja Católica, em 2013.

O Vaticano havia informado na segunda-feira (12) que Francisco permaneceria no hospital por mais alguns dias (sem especificar quantos), para ajustes na medicação e na reabilitação.

No domingo (11), ele apareceu para público pela primeira vez desde a cirurgia e fez sua oração semanal da varanda do 10º andar do hospital, Ele parecia estar em boa forma.

O Papa terá mais várias semanas para se recuperar da cirurgia antes de começar a viajar novamente, em setembro.

Em março, em sua primeira viagem desde o início da pandemia, ele visitou o Iraque.

Ele planeja visitar a Hungria e a Eslováquia daqui a dois meses e a Escócia, em novembro, para participar da conferência do clima (a COP26).

Enfermeiras da Policlínica Universitária Agostino Gemelli, em Roma, seguram faixa de adeus ao Papa Francisco, em 14 de julho de 2021, após o pontífice deixar o hospital onde passou por uma cirurgia no cólon.  — Foto: Filippo Monteforte/AFP

Enfermeiras da Policlínica Universitária Agostino Gemelli, em Roma, seguram faixa de adeus ao Papa Francisco, em 14 de julho de 2021, após o pontífice deixar o hospital onde passou por uma cirurgia no cólon. — Foto: Filippo Monteforte/AFP

O problema e a cirurgia

O papa foi internado no dia 4 para uma cirurgia no intestino grosso para reparar uma estenose diverticular (estreitamento) do cólon, que dificulta a passagem das fezes.

O problema, que é mais comum em pessoas mais velhas, causa dor e inchamento, inflamação e dificuldade nos movimentos intestinais.

Exames confirmaram a estenose diverticular grave no cólon, com sinais de uma diverticulite esclerosante.

Estenose diverticular do cólon

Na terceira idade, é comum que apareçam “saquinhos” na parede dos tubos do intestino — eles surgem principalmente pelo enfraquecimento natural dos tecidos.

Essas “bolsas” são os divertículos, e a diverticulite é a inflamação dessas protuberâncias.

As inflamações deixam cicatrizes nos tubos do intestino, o que deixa a parede do órgão mais grossa — e dificulta a passagem do material pelo tubo digestivo. Esse estreitamento do órgão é a estenose.

O quadro pode ser tratado com remédios, mas quando há sangramento do intestino é preciso submeter o paciente a uma cirurgia.

Fonte:g1.globo.com

Foto: Vaticano via AP