Maioria do País defende impeachment de Bolsonaro pela 1ª vez

Maioria do País defende impeachment de Bolsonaro pela 1ª vez

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Uma pesquisa do Instituto Datafolha divulgada nesse sábado aponta que a maioria dos entrevistados diz ser a favor da abertura do processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). É a primeira vez desde abril de 2020, quando o instituto começou a questionar os brasileiros sobre o tema, que a maioria é a favor da saída do atual presidente.

Com margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou menos, o levantamento aponta que 54% são a favor da abertura do impeachment na Câmara dos Deputados, enquanto 42% se dizem contrários à iniciativa – 4% não sabem. Na pesquisa anterior, realizada em 11 e 12 de maio, os apoiadores do impeachment haviam tomado à frente, apesar de a vantagem representar um empate técnico de 49% a 46%.

O levantamento foi realizado nos dias 7 e 8 de julho e foram ouvidos 2.074 brasileiros maiores de 16 anos, de forma presencial, em todas as regiões do País.

Entre aqueles que mais defendem o impeachment estão os que se declaram pretos (65%) e homossexuais ou bissexuais (77%), além de mulheres (59%), jovens (61%), pobres (60%) e moradores do Nordeste (64%). Já os grupos que rejeitam a saída de Bolsonaro são compostos por mais velhos (49%), evangélicos (56%), quem ganha entre 5 a 10 salários mínimos (62%), mais ricos (59%) e empresários (68%).

O aumento do apoio à abertura de um processo de impedimento contra Bolsonaro, apontado pelo Datafolha, acontece em um momento em que o Brasil registra mais de 530 mil mortos pela Covid-19 e em que o presidente vê membros de seu governo envolvidos em suspeitas de irregularidades nas tratativas para compra de vacinas contra Covid-19, investigadas pela Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid no Senado.

Bolsonaro, que é ex-deputado federal, também teve o nome envolvido em suspeitas de desvio de recursos públicos por meio do esquema conhecido como rachadinha, quando parlamentares se apropriam de parte dos salários dos funcionários de seu gabinete.

O presidente ainda é alvo de um inquérito que apura se ele cometeu o crime de prevaricação, após o deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) afirmar à CPI da Covid que o alertou sobre alegadas irregularidades envolvendo as negociações para compra da vacina indiana contra Covid-19 Covaxin. Neste sábado, Bolsonaro disse que tomou providências após o encontro com o deputado.

Fonte:www.terra.com.br

Foto: Adriano Machado / Reuters