Feira de Santana Tempo
FEIRA DE SANTANA Tempo

Isaquias Queiroz leva a medalha de ouro nas Olimpíadas de Tóquio

Isaquias Queiroz leva a medalha de ouro nas Olimpíadas de Tóquio

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Baiano de 27 anos faz história e sobe ao pódio olímpico pela quarta vez em duas Olimpíadas depois de frustração em prova com parceiro

Isaquias Queiroz conquistou na manhã deste sábado no Canal Sea Forest, na baía de Tóquio, a medalha de ouro na prova do C1 1000m da canoagem velocidade. O baiano de 27 anos, que é o atual campeão mundial da distância, reafirmou sua condição de ícone da elite internacional da modalidade.

Agora, o brasileiro soma quatro medalhas olímpicas em sua carreira (o ouro de Tóquio e duas pratas e um bronze da Rio 2016). Foi o único brasileiro em toda a história a conquistar três metais em uma única edição do megaevento. Ele também ostenta 12 pódios em Campeonatos Mundiais (dos quais seis ouros) e quatro em Jogos Pan-Americanos (três ouros).

Isaquias Queiroz semifinal C1 1000m Olimpíadas de Tóquio — Foto: Stanislav Krasilnikov\TASS via Getty Images

Isaquias Queiroz semifinal C1 1000m Olimpíadas de Tóquio — Foto: Stanislav Krasilnikov\TASS via Getty Images

Antes da finalíssima, uma chuva forte caiu na baía de Tóquio em decorrência da passagem de um tufão na região. Cerca de 20 minutos antes da largada, porém, os céus deram uma trégua e permitiram que a disputa se desenrolasse sem problemas.

Nas eliminatórias, na manhã de sexta-feira no Japão (quinta à noite no Brasil), já se impôs e marcou o melhor tempo no geral. Na manhã deste sábado, venceu a segunda bateria semifinal e, após sorteio, foi balizado na raia 4 na final.

O baiano havia terminado a final do C2 1000m, na quarta-feira na quarta posição ao lado de Jacky Godmann. Depois da disputa, ele chorou, passou mal e decidiu que entraria na briga por medalhas no C1 1000m com disposição redobrada.

Atleta do Flamengo, ele treina há sete anos em Lagoa Santa, cidade da região metropolitana de Belo Horizonte, sob o comando de Lauro de Souza Júnior, o Pinda. Talentoso desde a adolescência, quando foi descoberto ainda em Ubaitaba, sua cidade natal na Bahia, Isaquias acabou lapidado pelo lendário técnico espanhol Jesus Morlán, que conquistou várias medalhas olímpicas na canoagem velocidade como orientador do compatriota David Cal.

Morlán assumiu a seleção brasileira em 2013 e, dali em diante, Isaquias se tornou um dos maiores canoístas do mundo. O espanhol morreu em 2018 depois de travar uma luta de dois anos com um câncer no cérebro.

Na véspera da final, ele disse que queria uma medalha para honrar a memória do antigo mestre.

– Jesus foi um cara que mudou a a trajetória da canoagem do Brasil. Um cara que merece todo elogio por todas as conquistas que teve e pelo que estava fazendo mesmo com o tratamento do câncer. Para mim, é uma honra poder remar aqui e tentar mostrar para o Brasil que o trabalho dele segue, que podemos mostrar à família dele que levamos o nome do Jesus mesmo ele não estando mais fisicamente aqui. Meu objetivo agora é ganhar essa medalha de ouro para dedicar a ele – disse.

Com esse pódio em Tóquio, Isaquias entra definitivamente na galeria dos gigantes da história olímpica brasileira.

Fonte:ge.globo.com

Foto: Stanislav Krasilnikov\TASS via Getty Images