Conecte SUS volta a emitir certificado de vacinação

Conecte SUS volta a emitir certificado de vacinação

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Plataforma já estava no ar desde o fim de semana, mas apresentava instabilidade em dados sobre a vacinação 

Após mais de duas semanas fora do ar em razão de ataques de hackers, o aplicativo Conecte SUS, que reúne dados da saúde dos brasileiros, voltou a emitir, nesta segunda-feira (27), o certificado de vacinação contra a Covid-19, documento cobrado em diversas localidades para  a permissão de viagens e a entrada em eventos e ambientes fechados. 

No fim de semana, a plataforma já tinha sido restabelecida, mas funcionava com instabilidade nos dados vacinais, segundo relatos. Problemas pontuais ainda podem ocorrer, mas é possível resolvê-los com a atualização do aplicativo, disponível gratuitamente nas lojas virtuais iOS e Android. 

A retomada do serviço ocorreu com atraso de uma semana em relação à última previsão dada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Em 16 de dezembro, Queiroga disse a jornalistas que o sistema deveria voltar a funcionar entre 18 e 19 de dezembro, mesmo após um novo ataque de hackers ter retardado as previsões. 

A demora se deu pela necessidade não só de restabelecer os dados, como de garantir uma proteção maior, evitando novas invasões. “A gente está buscando todos os meios para ter uma segurança maior, embora não exista segurança total”, disse Queiroga na última semana. 

O primeiro ataque de hackers ocorreu em 10 de dezembro, e o Ministério da Saúde chegou a anunciar na ocasião a suspensão da cobrança do certificado de vacinação de viajantes que ingressassem no país. Mas o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso determinou a obrigatoriedade imediata dessa cobrança.

Além do Conecte SUS, outras plataformas foram afetadas pela invasão, como o Painel Coronavírus, com os dados atualizados da Covid-19, e o DataSUS, o departamento de informática do SUS.

Outros órgãos também sofreram ataques, entre eles a CGU (Controladoria-Geral da União), a PRF (Polícia Rodoviária Federal) e o IFPR (Instituto Federal do Paraná). A Polícia Federal investiga as ocorrências. 

Fonte:noticias.r7.com

Marcelo Camargo/Agência Brasil