Chelsea bate Palmeiras na prorrogação e é campeão do Mundial de Clubes

Chelsea bate Palmeiras na prorrogação e é campeão do Mundial de Clubes

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Após empate em 1 a 1 no tempo normal, Blues levam a melhor na prorrogação e conquistam o torneio pela primeira vez

Palmeiras lutou, mas não conseguiu superar o Chelsea. Os Blues venceram o Verdão neste sábado (12), por 2 a 1, e conquistaram o título do Mundial de Clubes pela primeira vez. A decisão, que foi realizada no estádio Mohammed Bin Zayed, em Abu Dhabi, contou com grande presença da torcida palmeirense, mas o time de Abel Ferreira acabou sucumbindo em campo. Após empate em 1 a 1 no tempo normal, o Chelsea chegou ao gol do título com Havertz, na prorrogação, em cobrança de pênalti.

No tempo regulamentar, Lukaku marcou para os Blues e Raphael Veiga deixou o dele para o Palmeiras.

O Chelsea iniciou a decisão com uma postura mais ofensiva. Logo nos primeiros momentos da partida, Mount era acionado pela direita do ataque com frequência e dava trabalho para Piquerez, que o marcava por ali. Além disso, o time inglês pressionava a saída de bola do Palmeiras. O Verdão, por sua vez, não incomodava o início da criação de jogadas do Chelsea, e começava a marcar a partir da linha de meio-campo.

A primeira chance de abrir o placar, no entanto, foi da equipe brasileira. Aos 17, Dudu cruzou da direita para dentro da área e, após desvio da zaga, a bola sobrou para Rony, sozinho, mas o atacante cabeceou fraco e facilitou a vida do goleiro Mendy.

O Palmeiras tinha muita dificuldade de sair jogando. O Chelsea apertava a marcação, e assim que recuperava a bola acionava os homens de frente. E foi assim que os Blues construíram duas chances seguidas, com Havertz, mas ambas não assustaram o goleiro Weverton.

Apostando nos contra-ataques, o Verdão teve a primeira chance clara de gol aos 26. Após passe de Zé Rafael, Dudu recebeu dentro da área em condições de finalizar, mas acabou arrematando para fora. Pouco depois, aos 30, o Chelsea teve de fazer sua primeira substituição. O meia Mount sentiu um desconforto e deu lugar para Pulisic.

A partida seguiu até o fim do primeiro tempo no mesmo desenho tático: o Chelsea adiantava suas linhas de marcação, enquanto o Palmeiras apostava nos contragolpes. O placar, porém, não foi movimentado e as equipes foram para o intervalo em condição de igualdade.

No segundo tempo, o Chelsea começou dominando completamente as ações. E logo aos 09 minutos, o time inglês abriu o placar. Hudson-Odoi recebeu na esquerda, foi até a linha de fundo e cruzou na medida para Lukaku cabecear e estufar as redes de Weverton. Luan, que fazia uma boa partida ao marcar o centroavante dos Blues, falhou desta vez e não conseguiu parar o belga.

Mas a resposta do Palmeiras não demorou. Aos 15, o Verdão jogou a bola na área e Thiago Silva, ao tentar subir para cortar, acabou colocando a mão na bola. O lance seguiu, mas o VAR foi acionado e o pênalti confirmado. Na batida, Raphael Veiga colocou com categoria no canto esquerdo do goleiro Mendy, que pulou para o outro lado: 1 a 1.

O gol de empate animou o Palmeiras, que se soltou no jogo e deixou a decisão totalmente aberta. As equipes passaram a criar chances alternadas e ambas chegavam ao gol adversário com perigo. Aos 25, Raphael Veiga arriscou da entrada da área, mas o chute saiu fraco e Mendy defendeu. O troco do Chelsea veio logo na sequência, em batida de Pulisic que passou perto da trave de Weverton.

À medida em que o tempo passava, as equipes começaram a demonstrar cansaço e já não havia mais tanto ímpeto em busca do gol que poderia representar a conquista do título. Assim, o tempo regulamentar terminou e a decisão foi para a prorrogação.

O tempo extra voltou a ter a característica que marcou quase toda a partida, com o Chelsea ocupando o campo adversário e o Palmeiras tentando aproveitar os espaços para sair no contra-ataque.

Quando parecia que a final iria para os pênaltis, um lance mudou o rumo do jogo. Após bola lançada na área, Luan colocou a mão na bola e o juiz assinalou pênalti depois de consultar o VAR. Havertz foi para a batida, deslocou o goleiro Weverton e marcou o gol do título. Com a vantagem no placar, o Chelsea administrou a vantagem e se sagrou campeão do Mundial de Clubes pela primeira vez.

Fonte:esporte.ig.com.br

Reprodução / Twitter Chelsea