Feira de Santana Tempo
FEIRA DE SANTANA Tempo

Carne deve ser moída na frente do cliente

Carne deve ser moída na frente do cliente

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Infringir a lei pode gerar multa de até oito salários mínimos, podendo perder o alvará de funcionamento

A Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) iniciou uma operação na última sexta-feira, 5, para orientar os comerciantes dos supermercados e frigoríficos quanto a Lei Municipal 366/2021, que proíbe a venda de carne moída previamente, devendo triturá-la na frente no cliente. Até o momento 31 estabelecimentos foram orientados.

“O objetivo é notificar os comerciantes, dando um prazo de cinco dias para se adequar à nova medida. Após esse prazo, se houver denúncia e comprovado em fiscalizações futuras, e o estabelecimento não tiver se adaptado, poderá sofrer punição”, afirma o superintendente do Procon, Maurício Carvalho. 

A multa para a infração é de até quatro salários mínimos. Em casos de reincidência, o valor pode dobrar, podendo inclusive perder o alvará de funcionamento. 

“Vale destacar que a medida não se aplica às carnes moídas industrializadas, desde que vistoriadas pelos órgãos competentes, com os devidos selos de qualidade”, destacou.

Ainda segundo Maurício Carvalho, a Lei Municipal traz mais segurança alimentar para o consumidor. “O cliente terá mais segurança. Saberá a origem e o tipo da carne, tendo a certeza se está estragada ou não“.

Nesta terça-feira, 9, a equipe do Procon compareceu ao frigorífico Friggom’s, mas NENHUMA irregularidade foi encontrada no local. O estabelecimento, inclusive, já era adepto à prática. 

“Desde sempre a gente trabalha dessa forma, porque é uma medida recomendada pela Vigilância Sanitária. Portanto não vamos sofrer impactos”, afirma o gerente do Friggom’s, Thalisson Barreto. 

As operações de fiscalização seguem até a próxima semana. Durante as visitas, também estão sendo observadas questões relacionadas ao direito do consumidor, como produtos fora da validade, etiquetas de preço visíveis e entre outras situações.

Fonte:www.feiradesantana.ba.gov.br