Feira de Santana Tempo
FEIRA DE SANTANA Tempo

Bolsonaro acusa DiCaprio de financiar queimadas na Amazônia

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Na quarta-feira (26), a PF prendeu quatro pessoas ligadas a ONGs que desenvolvem atividades em Alter do Chão, em Santarém, no Pará

presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira (29) que o ator Leonardo DiCaprio está pagando para promover queimadas na Amazônia. “Agora, Leonardo Dicaprio é um cara legal, né? Dando dinheiro para tacar fogo na Amazônia”, declarou o presidente a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada.

Bolsonaro também ironizou suspeitas sobre envolvimento de ONGs em incêndios na região. “Quando eu falei que há suspeita de ONGs o que a imprensa fez comigo?”, afirmou o presidente, se dirigindo a jornalistas presentes.

As declarações de Bolsonaro foram feitas após uma apoiadora afirmar: “Os índios em Altamira (PA) falam francês. Lá o fogo foi criminoso”.

Sem provas

Sem apresentar provas, Bolsonaro já havia ligado o ator às queimadas na floresta durante transmissão nas redes sociais, na quinta-feira (28). “Tira foto, manda para ONG, a ONG divulga, entra em contato com o Leonardo DiCaprio e ele doa US$ 500 mil para essa ONG. Leonardo DiCaprio, você está colaborando com as queimadas na Amazônia”, afirmou.

As falas de Bolsonaro fazem referência à operação da Polícia Civil que prendeu na quarta-feira (26), quatro pessoas ligadas a ONGs que desenvolvem atividades em Alter do Chão, em Santarém, no Pará. Eles foram soltos na quinta-feira (28).

Uma conversa que envolve um diretor de uma ONG é considerada pela polícia como principal elemento que liga ambientalistas e brigadistas a incêndios. Nenhum elemento ligado a perícia, testemunhas ou imagens conclusivas é apresentado no documento que embasa o pedido deferido pela Justiça, ao qual o Estado teve acesso.

Para a Polícia Civil, parte dos recursos doado pelo WWF a ONGs teria sido desviada. O WWF negou a compra de fotos com recursos de doações de DiCaprio de organizações dos brigadistas investigados.

Fonte:noticias.r7.com