Aprovado para o STF, Mendonça vai enfrentar testes de fidelidade a Bolsonaro

Aprovado para o STF, Mendonça vai enfrentar testes de fidelidade a Bolsonaro

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Novo integrante da Corte enfrentará assuntos ligados ao decretos das armas e à Lava-Jato, com a qual é identificado, o que provocou resistências a seu nome

Aprovado pelo Senado para integrar o Supremo Tribunal Federal (STF),  André Mendonça terá pela frente temas sensíveis para julgar, alguns deles de interesse do governo do presidente Jair Bolsonaro, que o indicou para o cargo. Na lista de processos que o esperam estão o marco temporal para definição de demarcação de terras indígenas e os decretos que facilitam a compra e porte de armas

Além disso, caberá a ele dar o voto de desempate em alguns julgamentos que já foram iniciados, mas, com o desfalque de um ministro, ficaram em cinco a cinco.

No caso do marco temporal, o que se discute na ação é saber se, para o reconhecimento de uma área como território indígena, é necessária a comprovação de que os indígenas ocupavam a terra no momento da promulgação da Constituição de 1988. Ao todo, 84 processos que tratam desse tema estão suspensos e aguardam um desfecho no Supremo. Até agora, apenas dois ministros votaram. O relator, Edson Fachin, foi contra o marco temporal. Já Nunes Marques, a favor. O governo Bolsonaro é favorável ao marco.

Durante a sabatina,  Mendonça adiantou que considera não haver motivo para o STF mudar entendimento definido em julgamento anterior quando foi analisada a desocupação de arrozeiros na reserva Raposa indígena Serra do Sol. Na ocasião, o Supremo definiu o marco temporal para dizer quem poderia ou não ficar na área da reserva e impor a retirada dos arrozeiros.

Quanto aos decretos das armas de Bolsonaro, o julgamento das ações que os questionam foi interrompido por um pedido de vista do ministro Nunes Marques, indicado pelo atual presidente.

Outra pendência na Corte é o processo que discute o parcelamento das dívidas judiciais, os chamados precatórios. O caso começou a ser analisado em setembro, mas um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes interrompeu o julgamento.

Com a demora do Senado em analisar a indicação do novo ministro do STF, o tribunal, que costuma ter 11 membros, contava apenas com dez, o que levou a alguns empates, como no julgamento sobre o direito de detentas transexuais e travestis escolherem o presídio no qual cumprir pena. Em razão disso, a análise do caso só será concluída após a chegada do novo ministro ao Supremo.

Na seara criminal, André Mendonça também terá um voto decisivo no julgamento de uma ação penal contra o ex-deputado André Moura (PSC-SE), que atualmente ocupa o cargo de secretário do Estado do Rio de Janeiro em Brasília. Em setembro, o STF analisou três processos do ex-parlamentar. Em dois, a maioria da Corte o considerou culpado pelos crimes de peculato, desvio e apropriação de recursos públicos e associação criminosa.

Na terceira ação, em que o ex-deputado é acusado de usar indevidamente veículos municipais e servidores que atuavam como motoristas, houve empate e o julgamento foi suspenso.

Teste de lava-jatismo

Na última segunda-feira, o presidente do STF, Luiz Fux, analisou uma questão de ordem apresentada pelo ministro Gilmar Mendes, relator da ação penal, e decidiu que um eventual empate no julgamento de uma ação penal não absolve o réu. Com isso, a decisão de aplicar ou não mais uma condenação ficará com André Mendonça.

Esse poderá ser um teste para o novo ministro, cuja identificação como defensor da Lava-Jato foi um dos motivos da resistência a seu nome entre políticos. Mendonça atuou na Advogacia- Geral da União em acordos de leniência com empreiteiras.

Fonte:ultimosegundo.ig.com.br

Isaac Amorim/ MJSP