Acidente em Capitólio: o que se sabe até agora

Rocha desaba, atinge lanchas e deixa um morto em Capitólio

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Queda de paredão de cânion deixou 6 mortes e 20 pessoas podem estar desaparecidas, segundo os bombeiros de Minas Gerais. Causas do desabamento ainda não foram esclarecidas; Marinha e Polícia Civil investigam.

O desabamento de pedras em um cânion no lago de Furnas, em Capitólio (MG), deixou 6 mortos neste sábado (8) após atingir 4 embarcações que estavam na área.

Veja o que se sabe e o que ainda falta esclarecer:

  • Quantos mortos e feridos no acidente?
  • Qual o horário do deslizamento?
  • Quais as causas do desmoronamento?
  • Como é a formação rochosa da região?
  • Os turistas podiam estar no local?
  • Como é o Lago de Furnas em Capitólio?

Quantos mortos e feridos no acidente?

O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais confirmou 6 mortes pelo deslizamento até a última atualização desta reportagem. 4 embarcações receberam impactos de pedras (sendo que 2 foram atingidas diretamente pelo paredão).

Todas as pessoas foram encontradas mortas. Por enquanto, o que se sabe é que duas delas são homens; ninguém foi identificado ainda.

Ao todo, 34 pessoas estavam envolvidas no acidente; 27 pessoas foram atendidas e liberadas com ferimentos leves, mas 4 ainda estão internadas.

A estimativa é que 20 pessoas possam estar desaparecidas, disseram os bombeiros. O número foi levantado com base em relatos de empresas de turismo e familiares de pessoas na região.

As buscas continuam, mas o trabalho de mergulho deve ser interrompido durante a noite para a segurança da equipe de resgate. 40 bombeiros e mergulhadores estão no local, mas o mau tempo impediu a chegada do helicóptero do Corpo de Bombeiros ao local.

Outras 9 seguem internadas:

  • 2 pessoas com fraturas expostas foram para a Santa Casa de Piumhi, a cerca de 23 km de Capitólio;
  • 2 pessoas ainda não têm estado de saúde confirmado e estão sendo atendidas na Santa Casa de Passos, a 74 km de Capitólio; a terceira pessoa que estava internada em Passos foi para um hospital particular – por isso, os bombeiros não têm informações sobre o estado de saúde dela.

Qual o horário do deslizamento?

O desmoronamento das rochas aconteceu por volta de 12h30, segundo informações do Corpo de Bombeiros.

Quais as causas do desmoronamento?

Ainda não informações oficiais sobre as causas do incidente. Pela manhã, a Defesa Civil de Minas Gerais havia feito um alerta sobre a possibilidade de ocorrências de “cabeça d’água’ na região de Capitólio, mas ainda não há uma confirmação de isso ser a causa das quedas no cânion.

Por meio de nota, a Marinha do Brasil informou que um inquérito será instaurado para apurar causas, circunstâncias do acidente. A Polícia Civil também investiga o caso.

Como é a formação rochosa da região?

A região de Capitólio é basicamente formada por rochas sedimentares que possuem uma resistência menor.

“A entrada de água nessas áreas podem fazer a rocha perder a coesão, que é a resistência interna. E pode haver uma ruptura como essa”, explicou tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais.

Gustavo Cunha Melo, especialista em gerenciamento de risco, disse em entrevista à GNews que a rocha aparentava estar com muita erosão. “A tromba d’água pode explicar o desabamento neste momento? Pode, assim como também não precisava nada – ela ia desabar em algum momento por erosão, por um processo natural”, afirmou.

Aihara explicou que o desmoronamento de rochas é comum em capitólio, mas o que agravou a situação foi o tamanho e modo como as pedras caíram. “Nesse caso, como a gente teve esse tombamento perpendicular, e pelo tamanho da rocha, a gente acabou tendo essas pessoas diretamente afetadas”, disse.

Geralmente, esse tipo de desmoronamento acontece com as rochas caindo até mesmo “de pé”, e não perpendicular, como foi neste acidente.

Os turistas podiam estar no local?

Após o incidente, a área foi isolada. Ainda não há informações se as pessoas podiam estar nas proximidades dos cânions. Os bombeiros disseram que cabe a Marinha informar se os turistas poderiam estar no local.

O prefeito de Capitólio, Cristiano Silva, disse em entrevista à GloboNews que nenhuma norma impedia as lanchas de estar naquele local, próximas do paredão. Segundo ele, o que não pode é atracar no cânion para que os banhistas entrem na água.

Como é o Lago de Furnas em Capitólio?

Conhecido como “Mar de Minas”, o Lago de Furnas é um dos maiores lagos artificiais do planeta. A região é formada por seus famosos cânions e águas navegáveis. Antes da chegada da água, haviam diversas fazendas que agora estão submersas.

Fonte:g1.globo.com