Feira de Santana Tempo
FEIRA DE SANTANA Tempo

Arroba do boi gordo segue enfraquecida por conta do coronavírus

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Mas os animais padrão China continuam sendo comercializados acima das referências, com o país asiático bastante ativo nas compras

Os preços da arroba do boi gordo continuam enfraquecidos, de acordo com a consultoria Safras & Mercado. O analista Fernando Henrique Iglesias afirma que os frigoríficos de maior porte seguem exercendo pressão, buscando negociar em níveis menores do que a referência média. “A estratégia recorrente segue em operar com escalas de abate encurtadas, avaliando todas as incertezas em relação a demanda”, diz.

No curto prazo, segundo a consultoria, não há sinais de repique de consumo no mercado doméstico para carne bovina, pois o isolamento social tem direcionado a demanda do brasileiro médio para cortes congelados de frango, ovos e embutidos, produtos que causam um menor impacto na renda.

No entanto, a China segue participativa no mercado internacional e é a grande exceção neste momento de incertezas, garantindo uma boa rentabilidade aos frigoríficos habilitados. “Os animais que preenchem os requisitos para atender o mercado chinês são negociados em patamares mais altos”, aponta Iglesias.

Na capital de São Paulo, os preços do mercado à vista ficaram em R$ 195 a arroba do boi gordo, estáveis. Em Uberaba (MG), permaneceram em R$ 184 a arroba. Em Dourados (MS), ficaram R$ 179/R$ 180 a arroba, inalterados. Em Goiânia (GO), o preço indicado foi de R$ 180 a arroba, estável. Já em Cuiabá (MT), ficou em R$ 170/R$ 171 a arroba, ante R$ 171 a arroba no dia anterior.

Atacado

No mercado atacadista, os preços da carne bovina ficaram estáveis. Há pouco estímulo para consumo de carne vermelha neste momento, de acordo com a Safras. “O fechamento de restaurantes, redes hoteleiras e outros estabelecimentos é altamente prejudicial para o escoamento de cortes premium, enquanto diversas unidades que operam apenas no mercado interno relatam que suas câmaras frigoríficas estão lotadas”, informa.

Assim, o corte traseiro teve preço de R$ 13,50 o quilo. A ponta de agulha ficou em R$ 10,70 o quilo. Já o corte dianteiro seguiu em R$ 11,30 o quilo.

Foto Reprodução: Lorran Lima/Idaf

Fonte:www.canalrural.com.br